domingo, 30 de janeiro de 2011

Arthur's War Diaries

Good afternoon, everybody...

     Como sempre, ocupadíssimo. A bagunça na minha casa está terrível, com pedreiros de um lado, pintores do outro, encanadores, etc. E no meio desta bagunça, esta semana, acabei encontrando um baú bem antigo com vários cadernos, que me deram aquela sensação de nostalgia. Para saber do que se tratava, peguei um dos cadernos, abri em uma página qualquer e comecei a ler.

" 1944, mês incerto, dia mais incerto.

     Estava com minhas tropas britânicas participando de mais uma investida contra Alemanha. Desta vez, invadindo e ocupando cidades alemãs ocidentais, rumo à Berlim. Meus homens estavam cansados e fatigados da matança sem sentido causadas por uma guerra de proporções mundiais. As frases mais comuns eram: "Estou com saudades de casa.", "Quando a guerra acabar, vou casar com Fulana.", "Será que minha mãe sabe que estou vivo?", "Será que vou voltar à Londres para tomar uma cerveja no pub Tal?". Sabíamos que o Eixo estava quase definhando e muitos já pensavam no pós-guerra. Mas antes disto, teríamos que terminar o que começamos. Infelizmente, era nós ou eles, mas esta guerra já durou demais.
     Pensava nisso, quando um mensageiro das tropas americanas comunicou-me que Alfred queria me ver imediatamente nas imediações de uma certa cidade alemã. Deixei minha tropa e fui com alguns de meus homens e o mensageiro americano para o tal lugar, que era próximo de minha posição. Chegando lá, Alfred estava com seus soldados, chocados com o tal local: encontraram um Campo de Concentração. Os prisioneiros, quase mortos e judiados, foram libertados pelos americanos e seus algozes, presos. Mesmo assim, percebemos que não salvamos nem metade daqueles que se foram: milhares de corpos, espalhados pelos vários buracos  e cantos daquele lugar, pessoas comuns mortas como animais. Foi uma cena triste e chocante. Nem sabíamos que os Nazistas tinham este tipo de campo de horrores. Nem nossos melhores espiões foram capazes de descobrir tal atrocidade. Depois de algumas investigações, descobrimos por onde eles traziam estes pobres coitados para este inferno: escondidos em trens, espremidos em condições desumanas. Eu e Alfred chegamos a pensar que poderíamos ter evitado parte disso bombardeando os trilhos  e estações de trens. Mas, agora não adiantava chorar sobre o leite derramado.
     As lágrimas teimavam em cair dos olhos ao ver aquele cenário de horror. Existia uma cidade próxima ao tal Campo de Horrores, tão próxima que Alfred achava difícil que não encontrasse alguém que soubesse deste lugar. Então, ordenou que seus soldados mandassem que toda a população desta cidade fosse até este campo. E assim foi feito. A surpresa é que nem os próprios civis alemães acreditavam no que viram e muitos desconheciam da existência deste campo (ou diziam isto para evitar punições). Juro que meus soldados e os soldados americanos estavam doidos para acertar as contas com certos alemães, mas fomos treinados o suficiente para nos controlar. Porém, queria ver se o exército de Ivan seria complacente com eles. A guerra foi dura para o lado dele.
     E isto é mais um registro da estupidez humana. Não sou perfeito, acho que ninguém é. Mas desta vez, passamos dos limites."

     Ao terminar de ler este trecho, meus olhos lacrimejaram. Foram dias torturantes e algo inesquecível, infelizmente. Ou talvez não: é para lembrarmos que muitas coisas são realmente estúpidas e a guerra, seja por qual motivo, é uma delas. Nem estou acreditando que escrevi isso. Lembrei que um dos dias desta semana foi o dia em Homenagem às Vítimas do Holocausto. Encomendei umas flores para enviar ao monumento na Alemanha, construído à alguns anos atrás, em homenagem à estas pessoas: pais, mães, crianças, idosos, trabalhadores, etc, mortos pela estupidez humana.






     Mudando de assunto, não menos tenso que isto, recebi um telefonema do Egito. As coisas realmente estão feias por lá. Por um lado sabemos que a população está certa em protestar contra a ditadura. Por outro, sabemos por outras fontes que partidos de fundamentalistas islâmicos estão de olho para tomar o governo no país. É uma situação complicada. Eu uma vez já tentei negociar, quando era à respeito de Israel, assim como outra vez recebi o apoio do Francis. Mesmo assim, as hostilidades continuam até hoje. Falei que tentaria ajudá-lo e pensar em uma solução. Egito realmente está desesperado.
     Agora, com outros ares, teremos um casamento semana que vem. E justamente do Tomateiro de Feira...Se eles mudarem de idéia, avisem-me para devolver à loja. Isso mesmo, apresentando em primeira mão o presente de casamento deles. 


     Como não sou padrinho, nem nada, resolvi dar este presente e ver se eles mudam de cardápio. Só tomate, tomate, tomate não sustenta. Só para explicar (porque talvez eles não saibam ler um manual de instruções): é uma panela elétrica de arroz e uma fritadeira, usem com moderação.
     Deixa eu ir, antes que um pedreiro quebre as paredes da minha garagem. D:


Bye


Recados:

Yao: Recebi seu cheque e foi devidademente investido. Obrigado.

Sey: Obrigado também pelo seu dinheiro. Já foi investido na nova cozinha. Obrigado.

Gilbo: Quero as minhas cortinas...[Off: no maior estilo Seu Barriga: PAGUE O ALUGEL!]

[Off: Desculpem a minha pouca presença no chat (problemas internos...D:). Desculpem também pelos erros clássicos: ortografia, português, inglês, etc. Espero que tenham gostado do post de hoje, meio down, mas a idéia estava enfornada à tempos, desde o dia que vi uns vídeos da tv escola falando sobre a 2ª Guerra e consequentemente, esta semana, no twitter homenagearam às vítimas do holocausto. Procurei pesquisar mais coisas à respeito, mas se tiver incoerências sobre o assunto, me perdoem, não achei muita coisa que esclarecesse minhas dúvidas, como por exemplo, se os britânicos chegaram a encontrar campos de concentração, e, portanto usei como base alguns dados que lembrava dos documentários. Se gostarem, posso fazer mais posts sobre os Diários de Guerra do Arthur, abordando vários períodos e batalhas da vida dele, mas depende da inspiração (pensando alguma coisa com piratas, ou a fuga de Portugal para o Brasil, mas preciso saber muita coisa, e depende um pouco do autor do mangá: Portugal macho ou fêmea?!). Infelizmente, desisti od assunto sobre a viagem para Austria, mas é porque tá enroscado, tenho idéias mas não inspiração para escrevê-las, sorry.]

domingo, 23 de janeiro de 2011

Rage Day...

Good afternoon...

     Sinto em informá-los que minha casa foi destruída nesta última semana e, ficarei bastante ocupado arrumando e reformando-a. O último encontro foi, literalmente, um desastre. Primeiramente, enquanto China, Wan-chan, Hong Kong e South Korea estavam tomando chá (e se matando no meu sofá), eu e o Gilbo nos enfrentamos num duelo (no qual perdemos quase todas as roupas e que, provavelmente, Nihon tirou fotos, aparecendo na hora certa >.<), tive que colocar outra roupa e quando voltei do meu quarto, parecia literalmente a Casa da Mãe Joana. Fiquei tão estressado que fui obrigado a tomar medidas extremas: usei minhas bombas de gás de efeito moral para expulsar todo mundo de casa. (Se vc quer a receita do gás, é só continuar lendo isso aqui). 
     Entrei na casa e quando cheguei na cozinha meu fogão EXPLODIU!!! Man, nem vi o que colocaram naquela coisa que assavam no forno, mas garanto que era pior que minha comida. (Não acredito que escrevi isso). Escutei um barulho de celular, especificamente uma musiquinha irritante que lembra Hello Kitty, no qual o meu espanto foi encontrar o Yao dentro da geladeira (o dono do celular tocando). Eu não estava nada simpático  e ele logo se adiantou a limpar a cozinha. Depois Hong Kong e Taiwan vieram (sabe lá de onde) e foram ajudar Yao. Depois veio o Nihon, que não estava muito bem (acho que tinha bebido umas) e ficou tentando me dar lição de moral. No fim, deixei ele sentado numa das cadeiras que sobraram na cozinha e fui na sala, onde escutei um barulho. Quando cheguei lá, Liechtenstein estava atordoada e ajudei ela a se levantar. Percebi que quando se jogam bombas, ninguém é de ninguém (e isso foi demonstrado pelo tratamento dado a Lady Liechtenstein). Chegou a Hungria, que não estava na minha casa antes, e começou a falar com a Liech daqueles livros suspeitos que ela e o Nihon vivem vendendo por aí. Senti cheiro de fumaça, no qual constatei rápido que o turco estava fumando em meu quintal. Sério, ninguém tem respeito pela casa dos outros?
     Por falar em Gilbo, esqueci de entregar o presente de aniversário dele (embora eu acredite que ele não mereça). Mas pensei pelos anos que passamos, sempre trocando de lado, uma hora inimigos, outra, amigos, outra, companheiros de bebedeira. Acho que eu devia dar alguma coisa. Mas queria dar algo diferente. Então encontrei esta guitarra e já que vc é um "anjinho" e ela lembra um pouco de espadas medievais (que inclusive, vc chegou à usá-las), resolvi dá-la de presente. E não reclame que eu não sou legal, ok. Ah, e não abuse dos ouvidos do Ludwig, não quero ninguém bombardeando Londres de novo.







     Por falar em presentes, tenho que entregar mais alguns que ficou faltando. (FINALMENTE, MINHA MALA CHEGOU). Tudo bem que a transportadora acordou eu e toda vizinhança à meia-noite, mas pelo menos ela chegou inteira. Além disso, ao comprar o presente do Gilbo, lembrei de pessoas que eu ainda não havia comprado presente e achei algumas coisas interessantes. Vamos lá. O primeiro nem preciso falar para quem que é...





     Yao, espero que vc se divirta com este presente. O segundo é para meu, err, "filho" Austrália. Para vc não perder seus arquivos de seu pc.



     Para o América, fugindo do óbvio, achei estas camisetas na Austria (numa camisetaria em Innzbruck) e resolvi comprá-las. Não fique mais convencido, ok?! Obs: os saradões não estão inclusos.


     Para o Nihon, mesmo com o papelão desta semana, resolvi dar um presente especial. É uma guitarra diferente (não tem cordas). Espero que goste.



     E para o Canadá, um equipamento que ele usam muito na sua casa. Espero que goste, comprei em uma estação de ski nas montanhas austríacas.





     E, passando na loja de guitarras, encontrei uma para mim (finalmente...). E resolvi me dar de presente. É ou não é a minha cara?





     E quando eu saia da loja, encontrei essa figura estranha na porta, que ficava dedilhando umas notas estranhas. Muito suspeito. Depois daquele cara que o Yao encontrou no estacionamento do supermercado, resolvi tomar cuidado e usei outra rota para voltar para minha casa.


     É ou não é esquisito? Bem, por enquanto é só. Ainda estou desfazendo minhas malas (e arrumando minha casa, inclusive, não sei quem esteve na minha piscina, mas está detonada D:). Sobre minha viagem à Austria, ainda não terminou e próximo post que vem contarei onde eu pousei nos Alpes.
     Ah, e para quem quiser, a receita da bomba de gás de efeito moral. Aí vai:
1 Frasco cheio de perfume francês (o pior futum que vc tiver na sua casa);
1 Frasco de 100 ml de perfume de Gambá (aquele que vc encontrar no quintal mesmo O.O);
3 ovos podres;
Algo para efetuar a explosão (vale até magia);
1 Granada vazia (ou pode ser qualquer coisa de fabricação caseira)
Misture todos os ingrediente, coloquem dentro da granada ou outro recipiente e boa sorte.

     Eu e o América costumávamos fazê-las durante a 2ª Guerra, quando acabavam as munições e tinhamos que ganhar tempo para chegar mais munições. (Lógico que fazíamos isso sem o Francis por perto *trollface). Então, é testado e aprovado.

     Ps - Só não soltem na minha casa, ela já está bem fedorenta e acabada graças aos últimos acontecimentos.

See you soon...


Recados:

Gilbert: Independente da janela e do celular ficarem quites, as cortinas não ficaram e, portanto, estou enviando a conta para sua casa.

Ludwig: Faça o Gilbert pagar o prejuízo que ele próprio fez.

Yao e Seycheles: As contas da cozinha irão automaticamente à casa de vocês. Nem pensem em assaltar navios meus, Lady Sey. Sei que vc é muito rica sem assaltá-los.

Scotland: Nem inventa de vir em casa comer de graça, humph! Fiquei sabendo que vc montou um blog. Sem sacanagem, please!

Britannia: Seja bem vindo e nada de magias desnecessárias!

Nihon: Não divulgue as fotos do duelo (ou entregue para pessoas que tem um equilíbrio emocional afetado ao ver homens seminus - não vou citar nomes aqui).

domingo, 16 de janeiro de 2011

One normal day ... or not?!

Good afternoon, everybody...

     Não mais diretamente do bunker. Primeiro, meu irmão, Scottland resolveu dar as caras (ele foi entregar a pizza D:) e encheu-me a paciência para sair de lá. Acho que ele queria era comer de graça, porquê comeu mais da metade da pizza que pedi. Lógico que não pagou (*insirem vários xingamentos aqui*). No fim, ele saiu e fiquei mais um dia no bunker. Sozinho. Fiquei sapeando os canais de tv a cabo que instalei e encontrei um filme para assistir. Não é que mais tarde que reparei nos personagens, tipo, um cara que brilha (não chamo de fada, porque seria uma ofensa à Sininho), uma moça tonta (e safada, tipo, beijou os DOIS caras no filme) e um índio descamisado (que abanava o rabinho toda vez que a tal moça tonta falava com ele. Ok, vi a primeira parte, foi os comerciais (inclusive de um monte de porcariada americana - Juicer Philips, com ele vc faz até exame de próstata), e quando foi para a segunda parte, vi o letreiro abaixo (onde passa a legenda) com o nome do filme. "É O FUNDO DO POÇO!", pensei. Estava lá: "Eclipse, parte 2". Descobri que não tenho vocação para hikikomori e voltei pra minha casa.
     Cheguei lá e encontrei Brittania escolhendo modelos de convites para o casamento do Príncipe William. Até lá, não me assustei com a bagunça em cima da mesinha da sala de estar. O problema foi depois, ele falando para eu enviar certos modelos de convites por e-mail para ajudar o Espanha e Romano. WTF?! DESDE QUANDO AJUDAMOS O TOMATEIRO DE FEIRA, SENHOR BRITTANIA??? Acho que minhas férias nas terras do Roderich não ajudaram a eu relaxar...D:
     Por falar em Austria, encontrei algumas fotos da minha viagem no trem para o interior do país. Digamos que a viagem foi bem agradável (a paisagem fora do trem era muito bonita), apesar dos dois ilustres cavaleiros que resolveram ficar na mesma cabine que a minha. Advinhem? Spain e Romano voltando para a Itália, depois de visitar Feliciano na casa do Ludwig. Não sei porque escolheram viajar de trem (era mais prático ter pegado um avião), mas o casalzinho estava curtindo, errr, uma espécie de viagem romântica, em vista que só vejo os dois brigando. Para finallizar a cereja do bolo, logo apareceu Martín dentro do trem. WTF? Argentina? Sim. Ele veio encher a paciência dos pais (de tão longe assim) porque viu em um site sobre leis piratas uma lei que poderia acabar com minha solteirice (e ser condenado à fogueira pelo Lovino Inquisidor), porque de acordo com ela, eu poderia estar casado com Espanha e bem, Argie queria saber quem era seu pai. E EU TENHO A VER COM OS RELACIONAMENTOS ESTRANHOS DO SPAIN?! Argie, não faça mais isso. Mas, graças à uma outra estação de trem, eles saíram para seguirem o caminho da Itália enquanto eu fiquei sossegado, lendo um livro, finalmente em paz. Cheguei em Lienz à noite, onde fui alugar um carro e subir montanha até a pousada onde passei alguns dias. Falo sobre a pousada no próximo post. [Off: sei que ficou estranho esta história do trem, mas eu tinha que colocar/inventar algum assunto e aquela brincadeira no chat deu idéia...kkkkkk].
     Agora, tenho mais presentes de natal para entregar - atrasado - que tinha comprado, mas não tive tempo de entregar antes de viajar. Foi bem naqueles dias que fui no shopping, ok...Aí vão...
      O primeiro eu achei a cara do Iceland. Embora não seja costume, resolvi comprar e presenteá-lo mesmo assim (insistência do Brittania).


      Para Belarus (já que dei um presente pro Ivan), um presente para o Ivan não correr de vc.







     Para Liechtenstein, um presente especial. Espero que goste.

    
     E por último, para Seycheles. Espero que goste também (vi e lembrei de vc).






     Por enquanto é só.

See you soon...

[Off: desculpem pelo post fail again, tive que finalizá-lo mais cedo por causa dos trovões...Se puder, eu o completo mais tarde...FUIIII]

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Good afternoon, everybody...

     Devido aos últimos acontecimentos (wedding and more wedding) e minha "sorte" em receber convites de casamento (principalmente de um certo deselegante francês, que nesta época gosta de atolar minha casa de flores e chocolates "E EU TENHO CARA DE MULHERZINHA, BASTARDO?"), estou escondido em um bunker onde a localização dele não será citada aqui, mas que pelo menos tenho tudo o que preciso (até passar o Valentines Day, in February). Inclusive fiz um curso rápido com meu amigo Kiku Honda em como sobreviver sozinho neste bunker por estes dias. Odeio dar uma de covarde, mas é melhor não abusar da sorte e ficar perambulando por aí correndo sérios riscos (tipo, ser seqüestrado por um francês fededendo lagosta, etc).
     Brittania acha que estou louco (ultimamente só anda falando verdade, aquela borboleta de asas plumosas), mas para provar que não estou, vou postar para vcs os últimos acontecimentos de dezembro, ou seja, minha viagem para a casa do Roderich. Para começar, tive que pegar outro avião em Amsterdã para chegar em Viena. A companhia aéra, que era holandesa, era "tão boa" que conseguiu a proeza de deixar minha mala na Holanda. *facepalm
     Cheguei no local onde eu aluguei um apartamento para ficar e tive que conversar com a dona (ver se liberava internet - item raro aqui - ou como funcionava o chuveiro - ok, não demoro dias para tomar banho que nem o Francis, já que estou adotando a política brasileira de banhos). Sério, ela assustava muito. Não queria que sujasse nada, era para tirar o calçado antes de entrar, não respirar perto da janela, blábláblá. Parecia a mãe do Roderich (acho que fico feliz em não conhecê-la) ou a versão feminina mais feia do Ludwig (sua mania de limpeza fez a relação, sorry). Ainda bem que no dia seguinte, minha mala chegou, então não fiquei sem roupa...
     Tinha que acertar algumas coisas com Roderich antes de seguir viagem, então, aproveitei para passar no Palácio de Schönbrunn. Lembranças de muitas épocas, para todos, guardados naquele castelo. Como fui no inverno, o jardim atrás do palácio não estava exuberantemente bonito, mas com a neve dava um ar de mágico. Depois, lógico, fui até o hotel Sacher, comer o famoso Sachertorte. Muito gostoso, por sinal.


     À noite, fui ao famoso mercado natalino em frente à prefeitura de Viena. Estava bem enfeitado para o natal. Dizem que raramente neva em Viena, mas eu acho que tive sorte. Infelizmente, não pude ficar muito, no dia seguinte eu iria para meu destino de férias (finalmente e merecidas): Lienz, que ficarão para eu contar na próxima semana...
     Não pude ir ao casamento de Fin e Swe. Como vcs sabem, minha mala ainda não chegou da Holanda (DE NOVOOOO!!!) e tinha minhas roupas de casamento lá (é, tive que participar de um casamento tipicamente austríaco) e não estava a fim de gastar (terno custa muito *modo Basch on). Então, minhas sinceras desculpas aos noivos. Como fui bem antecipado (dei os presentes aos noivos neste post aqui: http://hetaliagodsavethequeenuk.blogspot.com/2010/11/giving-gifts.html), só entregarei agora duas lembrancinhas para não passar em branco (e já que não pude comparecer).


     Um forno multiuso para facilitar a vida de vcs e...







     Quando vcs quiserem celebrar alguma coisa...
     Finalizando, na minha mala de mão encontrei o meu presente de Natal pro Ivan. Espero que ele goste (e não me mate). Achei a cara dele (menos a Belarus que vai achar...). Os presentes de Natal, conforme eu for encontrando, vou entregando (infelizmente, atrazado, mas fazer o quê - culpa de uma certa companhia holandesa de aviação).







     E ainda encontrei mais besterol em um site americano (tinha que ser, não é). Será que é assim que o Alfred decora o mapa do próprio país?


     Por enquanto é só, que acho que a pizza que pedi já chegou (alguém batendo na porta do bunker, se é possível). Espero REALMENTE que seja a pizza que pedi.

See you soon, guys!

[Off: Desculpem pelo post, que não foi muito bom, eu acho. Mas tinha que achar algum motivo pro Iggy postar suas fotos de férias. Não tem fotos próprias minhas tiradas da Austria porque o blogger é um chato e ficou demorando uma eternidade para carregar. Se faltou alguns blogs para eu comentar, desculpem-me, fiquei uns dias fora e não deu para ficar por dentro do que estava rolando. Espero participar mais daqui pra frente.]

sábado, 1 de janeiro de 2011

Happy New Year and gifts!!!

Hello, everybody...

     I'm back. Depois de umas férias merecidas (e resolver alguns assuntos na Austria), voltei para curtir o ano novo aqui em Londres. Aqui apenas fazemos a contagem regressiva e festejamos em bares e restaurantes fechados para a noitada aqui. Mas, tem queima de fogos e vou postar algumas dicas para quem quiser curtir a virada aqui em outra oportunidade.


  • Onde assistir ao fogo de artificio em Londres: pode ver os fogos de artifício em qualquer lugar na cidade que tenha vista para o London Eye. Os lugares mais cobiçados para assistir ao Reveillon 2011 e com uma vista privilegiada, são a margem norte do rio Tâmisa, entre Waterloo e pontes de Lambeth. A cidade de Londres, também costuma instalar ecrãs gigantes em Trafalgar Square e a Praça do Parlamento.
  • A melhor hora para chegar ao local: Não vá muito tarde, pois uma vez atinguida a capacidade máxima, a polícia fecha o acesso. O mesmo se aplica aos locais onde são instalados os ecrãs gigantes. O melhor é estar lá por volta das 22:00h.
  • Como chegar: o metro e os autocarros funcionam a noite toda e costumas ser gratuitos entre as 23:45h e as 04:30h. Planeie a sua viagem, pois algumas estações de metro no West End e perto da London Eye, tem horas de operação especial na passagem de ano, e algumas fecham.
  • O que fazer até às 24:00h: Geralmente existe um DJ convidado, a partir das 22:00h até ás 23:55h.
  • Contagem até à meia-noite: a contagem regressiva começa às 11:59:50 até o Big Ben bater as 00:00h.
  • Fogo de artíficio: após a batida da meia noite, começam 10 minutos de fogo de artifício que delicia todos os presentes, com fogos de artifício lançados a partir do London Eye, e também de embarcações paradas no rio. No final, todos cantam a música tradicional de Ano Novo anglo-saxónica “Auld Lang Syne”.
  • Após o fogo de artifício: Os bares estão abertos, mas a maioria, cobrar bilhete de entrada e por isso o melhor é adquirir os bilhetes antecipadamente.
     
     Só não curti muito, pois ainda estou esgotado da viagem que fiz à Austria (e também pela escala em Amsterdã, onde minhas malas ficaram lá - por culpa daquela ***** de companhia aérea holandesa que esqueceu minhas malas por lá 2 vezes - insirem um emotiocon vermelho de raiva aqui).
     Mudando de assunto, tenho os presentes de amigo e inimigo secreto. Para o meu amigo secreto, como ele foi muito legal comigo (deu excelentes presentes), resolvi dar um presente especial.






     E não é só isso. Para colocar um pouco de cultura em sua mente...




     E esse é dica minha...


     Espero que goste e divirta-se bastante...
     Quanto ao meu inimigo secreto, tive realmente muita dificuldade, pois encontrei-me com ele poucas vezes e ele foi sempre meio estranho, além de ser viciado em yogurtes. Para mudar um pouco seu histórico com sua iguaria típica, resolvi ajudá-lo um pouco (sempre falam que variar o cardápio é saudável), então, primeiro um livro para ajudá-lo...



     E para vc se lembrar dos tempos com o Ivan, uma camiseta especial...





     E por falar em Ivan, tenho que passar os presentes dele de aniversário...


     E como vc ganhou passagens para várias viagens, inclusive em lugares quentes e ensolarados....




    
     Não esqueça do protetor solar fator 135768416578613. Lógico que não poderia esquecer da vodka. (E já que muita gente deu coisas com girassóis, resolvi dar outras coisas mais úteis, espero que goste).
     E, na compra dos presentes, olha só o que encontrei...




      E para os fãs de games e Star Wars, isso ainda é mais estranho...[Offa: sonho de todo nerd...weeee]. Ainda acho que o Alfred vai me encher a paciência para descobrir onde compra um desses *facepalm.


     Por enquanto é só, já que ainda estou um pouco cansado. Happy New Year for everybody!

Bye...


[Offa: hehehehe,  eu de volta. Histórias sobre as desventuras de Artie na Austria vão ter que esperar (estou arrumando um monte de coisas). A história sobre as malas é realmente verdade (tipo, minha mala ainda está em Amsterdã - DE NOVO - vou xingar muito no twitter). Torçam para que elas cheguem inteiras....Espero que gostem do post. Presentes de Natal provavelmente serão entregues quando eu falar sobre Artie na Austria, mas a mala dele também tem que chegar...kkkkkkk...Foi muito legal conversar e conhecer vocês e participar dos blogs e do chat, foi uma experiência diferente e muito animadora. Vida longa e próspera para nossos blogs e nosso chat! *Spock, Star Trek, mode on - FELIZ 2011 PARA TODOS VCS!!!]